Cinzas

A neta espevitada chegou contando sobre o elefante do zoológico – “a tromba era deste tamanho, Vó”!

Então se lembrou: –  Cadê o Vovô?

– Ele foi pro céu, Mariângela, lembra-se?

A menina saracoteou pela sala e olhou para a cristaleira onde havia uma urna retangular de cedro.

– Vó, o que é aquela caixinha nova?

– Nada, querida, só uma caixinha. Vamos comer bolo?

Foram para a cozinha e a neta contava com detalhes sobre cada animal que viu, falou da onça, do camelo e sua baba e da girafa; nossa!

Passaram ali uma boa hora, a avó escutava muito interessada e a criança falava com a boca cheia de bolo.

Quando Vó Eulália saiu para o quintal à procura dos ovos que as galinhas comemoravam, a menina foi até a sala, subiu em uma cadeira, tirou a caixa ornamentada de cima do móvel e abriu. Espalhou as cinzas, procurando algum tesouro escondido.

Nada havia…

E o avô, agora libertado, vagava contente pelos seus amados cômodos.

Um comentário sobre “Cinzas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s